sinapse.png
Porque acredito que educação somática combina com a escola.
 
24/11/2020
 
Considerando o instrumento normativo Base Nacional Curricular Comum, entende-se que a educação básica deve fornecer ao longo da formação do estudante competências que mobilizem conhecimentos, habilidades, atitudes e valores para atender as demandas do convívio social e do mundo de trabalho. Reconhece-se também que é papel da escola orientar para preservação do meio ambiente, transformações e construções sociais mais justas e humanas.
São dez competências gerais dentre as quais destaco alguns pontos: Exercitar a curiosidade intelectual e estimular o exercício da criatividade; reflexão e criação de hipóteses com base na ciência e nos conhecimentos de diferentes áreas; valorizar as práticas e manifestações artístico culturais; utilizar diferentes linguagens para expressão de ideias, experiencias, sentimentos e informações; aprender a cuidar de si, reconhecendo também as emoções próprias e dos outros; praticar a empatia, a colaboração e agir com autonomia, protagonismo e responsabilidade. Ainda, considerando o período etário dos alunos do final do ensino fundamental 2 e médio, a escola sob orientação da BNCC, entende a juventude em todo seu amplo grau de diversidade e buscará assegurar uma formação em sintonia com essas dimensões múltiplas.
Então por que acredito que a educação somática combina com a escola? Dentre seus métodos, pode-se compreender a educação somática como um campo prático e teórico sobre as esferas que abrangem o corpo humano e o movimento. Especificamente no Body Mind Movement, método pelo qual me formei terapeuta e educadora busca-se convidar as pessoas para reorganizações nos níveis físicos, emocionais mentais e espirituais. Estudos de fisiologia, anatomia, biomecânica, pesquisas atuais sobre o sistema nervoso entre outros campos do corpo, são considerados como fonte de material para corporificação e assim buscar uma conexão mais facilitada entre corpo e mente podendo nos orientar a mover-nos em direção à saúde em todos os seus âmbitos.
A corporificação é um aprendizado que acontece dentro da experiência, o corpo é instrumento a ser aprimorado e apreciado, fonte de material que nos transforma e coloca na direção de melhores relações consigo e com o meio. O movimento também é exercitado como forma de expressão artística afim de integrar a corporificação.
Nesse sentido vejo o trabalho somático muito possível de ser praticado por uma escola que valorize o protagonismo dos estudantes e o aprendizado integral, compreendendo as trocas aprofundadas no que temos de mais vivo sobre nós mesmos, o corpo.
Além disso, a maneira como se organizam os grupos para a prática do Body Mind Movement, utiliza formação de duplas e trios o que favorece a empatia pelo processo do outro, fortalecendo vínculos e trocas honestas. É uma maneira de conhecer o corpo, aprender suas conexões com a mente e novas formas de nos movimentar. Expandir a esfera criada para prática na vida cotidiana, restaurar relações e produzir transformações sociais, essa é a escola da vida. 
download.jpeg
Aprendizagem, desenvolvimento e educação somática
18/12/2020
A psicologia educacional tem uma visão interacionista da influência da hereditariedade, ambiente e maturação na aprendizagem e no desenvolvimento psicomotor. Na teoria Histórico-Cultural de Lev Vygostky entende-se que as transformações ocorrem em um processo dialético, o desenvolvimento psicológico está introduzido no contexto de todo desenvolvimento social e se revela em seu constituinte orgânico. Também nas palavras de Lino de Macedo o papel da educação construtivista é de observar e favorecer um processo de construção. Então é possível dizer que se entende o desenvolvimento como algo que ocorre ao longo de múltiplas dimensões que interagem em ritmos e direções distintas - biológica, psicológica e social. E ainda que mesmo se considerando a influência dos fatores biológicos no desenvolvimento, o sujeito se constitui em relação. 
Nesse sentido, oferecer possibilidade de experimentar essas dimensões nos níveis físicos, partindo dos tecidos corporais, conscientemente explorando nosso sistema sensório-motor no contexto de trajetórias específicas de movimento, com metodologia de corporificação, observação e repadronização, proporciona-se uma aprendizagem que explora a história de vida, a expressão e maneiras de aprimorar habilidades pelas quais o corpo pode encontrar mais facilidade nos movimentos, pode se curar e se manter saudável. Esse corpo é importante, se não fundamental, ao se construir relações e respostas mais apropriadas e confortáveis ao ambiente. 
A escola que oferecer aos alunos atividades de educação somática que forneçam maior consciência de força, dinamismo, agilidade e fluidez, vai convidar a um refinamento muscular, esquelético, de sistema nervoso, endócrino, de sistema de órgãos que irá apoiar os desenvolvimentos da motricidade, emocional, social e psicológico, provendo maior conexão interior e capacidade de interagir com o meio. Um corpo organizado e com desenvoltura para absorver os conteúdos de aprendizagem na escola com segurança, protagonismo, autonomia e saúde em todas as esferas.